Com Peso e Medida por Fernando Silva


 


"Com Peso e Medida" é um espaço para ser desenvolvido não por um matemático, mas por um médico. Mas o que é que a matemática tem a ver com a medicina? Sabia que a terminologia "Série de Lesões" tem a ver com a matemática? Pelo menos é uma expressão muito usada nos domínios hospitalares. Nos Estados Unidos da América muitos profissionais da medicina têm tido a necessidade de tirar um segundo curso, nada mais nada menos que o curso de Matemática.


 Fernando Silva - Médico. Especialista em Ortopedia. Mestrado em Medicina Desportiva 


Ano novo vida nova…


Este pós-férias sob o signo da dúvida, ainda assim passível de análise matemática:


E quando finalmente vemos uma luz ao fundo do túnel…que probabilidade existe de ser o comboio?


Podemos construir uma analogia usando o corpo humano em relação á linguagem financeira que se vai tornando religião:


Conhecemos o drama de pessoas obesas que tentam emagrecer.


De facto, no geral, possuímos um capital mais volátil (a água) que com facilidade é absorvida e sai do organismo sem grande tributação e um capital sólido (proteínas, açúcares, gorduras, …) que tem mais burocracia no processo de admissão e fortemente tributado na saída (pelo que mais dificilmente sai).


Muitos dos métodos de emagrecimento exploraram o desequilíbrio: diminuir o aporte isolado de açúcares, massas, pão, …a carne ou o peixe, …as gorduras; utilizar substâncias que aumentam o metabolismo numa tentativa de maior consumo interno.


É evidente que existe algum preço a pagar pelo desequilíbrio, iniciando-se na perda de capacidade física e culminando no prejuízo do funcionamento de órgãos, na doença (p. ex. anemia) e mesmo na morte.


Em virtude disso muitas ideias mais equilibradas surgiram no sentido da harmonia, conjugando e exercício físico com alimentação menos calórica menos desequilibrada (não fugindo muito á “roda dos alimentos” que pode ser consultada no portal da saúde).


Como o apetite e a fome não são específicos da re-alimentação do corpo mas de uma mistura de necessidade de comida com estado de espírito e envolvência social, conhecimento e possibilidades económicas; basicamente, muitas vezes não podemos confiar na fome que sentimos.


No final, devemos saber reequilibrar o corpo não só para que pese menos mas também para se tornar mais saudável, mais belo e mais atlético. O princípio fundamental será identificar os erros alimentares para os corrigir.


Outro princípio será diminuir o diâmetro da roda dos alimentos, ajustando as quantidades aos gastos físicos, sem amputar a fatia dos hidratos de carbono ou das gorduras pois restará uma roda dentada que rodará mal no chão.


Contra a dúvida do inicio deste texto uma certeza podemos ter: água e ar não engordam…agora quanto ao comboio, cá vamos olhando em cima da linha.



Publicado/editado: 03/09/2011