Grupo de Trabalho de Matemática falha compromissos

.

O Despacho 12530/2018, assinado pelo Sr. Secretário de Estado da Educação a 12 de dezembro, determinou a criação de um “Grupo de Trabalho de Matemática” (adiante designado por GTM) com a missão de “proceder à análise do fenómeno do insucesso, tendo em vista a elaboração de um conjunto de recomendações sobre a disciplina de Matemática - ensino, aprendizagem e avaliação.”


A 7 de janeiro de 2019, em carta aberta à tutela (https://www.spm.pt/files/carta_GTM.pdf), a Sociedade Portuguesa de Matemática rejeitou o cenário catastrofista sobre o Ensino da Matemática no nosso país descrito nesse despacho bem como a própria composição do GTM, pouco representativa da comunidade pedagógica e científica portuguesa. De acordo com o referido Despacho, o GTM ficou incumbido de:


-  Numa 1.ª fase, até abril de 2019, elaborar um relatório síntese que apresentasse um ponto de situação sobre o ensino, aprendizagem e avaliação na disciplina de Matemática, caracterizando a evolução de indicadores relevantes, e submetê-lo a discussão pública por forma a suscitar um amplo debate;


- Numa 2.ª fase, elaborar uma análise do conjunto de contributos resultantes da auscultação e sistematizar as conclusões desta discussão pública;


- Numa 3.ª fase, apresentar um conjunto de recomendações finais sobre o ensino, aprendizagem e avaliação na disciplina de Matemática. Esta 3.ª fase deveria ter sido concluída até dia 30 de junho de 2019, data em que o grupo terminou o seu mandato.


Aparentemente nada disto aconteceu, encontrando-se neste momento o grupo extinto sem que tenhamos conhecimento da realização de uma discussão pública ou mesmo de um qualquer documento por ele produzido. A Sociedade Portuguesa de Matemática lamenta profundamente esta forma ligeira de lidar com um assunto tão sério e estratégico para o futuro dos jovens portugueses. Este episódio vem agudizar uma situação já em si instável e problemática, causada pela incerteza do que constituirá no final do próximo ano letivo a avaliação externa (já com alunos que integraram turmas experimentais do projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular) bem como pela publicação das Aprendizagens Essenciais, cuja natureza  extremamente vaga e até contraditória com aquilo que se encontra prescrito no Programa e Metas Curriculares atualmente em vigor tem confundido profundamente os professores.


Acresce a tudo isto termos sido alertados por vários dos nossos associados para o facto de estar anunciada para o próximo  dia 13 de julho, num encontro sem caráter público organizado por uma associação profissional, uma comunicação proferida pelo Sr. Coordenador do GTM, durante a qual divulgará as conclusões dos trabalhos do grupo (resumo disponível em  https://profmat2019.wixsite.com/apm2019/conferencias-plenarias , acedido a 11 de julho):


«O Secretário de Estado de Educação criou em finais do ano passado (desp. n.º 12530/2018) um “Grupo de Trabalho de Matemática” (GTM) com para analisar [sic] o insucesso nesta disciplina e propor recomendações para o seu o ensino, aprendizagem e avaliação. Para levar a cabo esta missão foi proposta a realização de uma análise da evolução recente dos resultados dos alunos em Matemática a nível nacional e internacional, bem como das consequências das medidas que têm vindo a ser tomadas para a melhoria das aprendizagens e das metodologias de ensino e de avaliação nesta disciplina. Nesta conferência prevemos apresentar os principais resultados do trabalho efetuado, com menção ao ponto da situação resultante da análise realizada e aos principais contributos e conclusões da auscultação pública efetuada a esse respeito, contemplando igualmente as recomendações daqui extraídas para o ensino, aprendizagem e avaliação na disciplina de Matemática.»


Anuncia-se assim que durante a vigência do seu mandato este grupo terá não só elaborado um relatório como terá também realizado uma consulta pública, analisado os diferentes contributos e extraído recomendações finais.


Trata-se de uma situação de extrema gravidade que requer um esclarecimento cabal por parte da tutela. Remetemos já ao Sr. Secretário de Estado da Educação as seguintes questões, até ao momento sem qualquer resposta:


1 – O GTM produziu, dentro do calendário a que estava obrigado e no período de vigência do seu mandato, os diferentes elementos referidos no Despacho 12530/2018? Se sim, onde podem ser consultados?


2 - Em que condições exatas aconteceu “a ampla consulta pública” prevista, aparentemente agora confirmada pelo Sr. Coordenador do Grupo? 

A Sociedade Portuguesa de Matemática apela ao restabelecimento de uma situação de normalidade no Ensino da Matemática, com indicações claras por parte do Ministério quanto aos documentos curriculares a cumprir, aos moldes em que decorrerá a avaliação externa, bem como transparência e responsabilidade nas iniciativas ministeriais que se debrucem sobre o nosso Ensino Básico e Secundário.

 

A Direção da Sociedade Portuguesa de Matemática

Publicado/editado: 11/07/2019