Parecer sobre o exame de Matemática A – 1.ª fase

Parecer sobre o exame de Matemática A – 1.ª fase

1. O exame de Matemática A que hoje se realizou apresentava, tal como em 2020, uma estrutura diferente do que era habitual, fundamentada, tal como no ano anterior, na natural perturbação que a pandemia provocou no desenrolar dos trabalhos escolares.

Tal como no ano anterior, discordamos desta estrutura de prova pois provoca insuficiências quanto à diferenciação dos desempenhos dos alunos e, naturalmente, arbitrariedades que impedem uma seriação no acesso ao Ensino superior com critérios equitativos, principal propósito atual desta prova.

Note-se que em 2020 a prova tinha um conjunto de itens obrigatórios (4 itens) e 14 opcionais, dos quais apenas os oito melhores contariam para a classificação; em 2021 a prova tem 11 itens obrigatórios e sete opcionais, dos quais serão os quatro melhores que contam para a classificação. Tal facto, apesar de atenuado, continua a colocar, da mesma forma, alunos com desempenhos diversos com classificações iguais.

2.  Em relação ao conteúdo da prova realizada hoje, dia 13 de julho de 2021, esta é equilibrada no que se refere à cobertura dos vários conteúdos programáticos. Contudo, esta considera--se extensa, não só porque os alunos são conduzidos naturalmente a resolver todas as questões, como, também, atendendo à complexidade que apresenta na formulação de algumas questões e consequente dificuldade na respetiva interpretação (itens 4, 5, 8 e 13.2).  No que se refere à clareza da formulação das questões, por exemplo, o item 4., pode ter causado algumas dúvidas, principalmente na interpretação do excerto: sabendo-se que os dois condutores são dois dos dirigentes, pois podia se interpretar como “Somente dois dos três dirigentes podem ser condutores” que não é o que se pretende.

3. Comparando o grau de complexidade das provas da 1.ª fase do ano passado e a deste ano, há a salientar o facto de haver agora um maior número de questões de grau de complexidade superior no grupo dos itens obrigatórios, por exemplo, 1.2, 4. e 15. Considerando-se esta última a mais diferenciadora, pode, no entanto, ter levado a cálculos muito fastidiosos e desnecessários para um item com esta intenção. Os itens opcionais 2, 5 e 12 são invulgares e, também, por isso mais exigentes que o habitual. É notória a diferença entre o nível de complexidade de algumas das questões obrigatórias relativamente à simplicidade das únicas quatro obrigatórias do ano anterior.

O exame de 2021, considera-se mais complexo que o habitual em qualquer exame dos últimos tempos. Por um lado, é positivo quanto ao equilíbrio nas matérias testadas, no número de questões de escolha múltipla e respetivas cotações e de apresentar uma maior exigência que se fazia sentir em défice em anos anteriores.

Por outro, são tremendas as desigualdades provocadas, relativamente aos anos anteriores, tanto pela instabilidade na estrutura adotada, como pela subida do grau de complexidade das questões, como já referimos.

4. Alterações desta natureza na estrutura da prova requerem uma grande ponderação pois, para além de terem impacto direto na classificação dos alunos que no mesmo ano realizam a prova, também o têm em alunos de anos anteriores. Isto é, põe em causa a equidade entre alunos sujeitos a provas realizadas em anos letivos diferentes ao participarem no mesmo concurso de acesso ao ensino superior. Será certamente o que irá acontecer este ano. Note-se que em dois anos consecutivos de pandemia, os alunos deste ano ficam em desvantagem relativamente aos do ano passado, pois para além de terem tido uma prova mais complexa, atravessaram dois anos de instabilidade nas atividades escolares.

A inconstância causada pelas alterações da estrutura e da complexidade das provas, vem mais uma vez pôr em causa a possibilidade de se realizar qualquer análise comparativa dos resultados destes três últimos anos. Esta seria muito profícua, principalmente pela mutabilidade sentida neste período nas atividades escolares.

 

Gabinete do Ensino Básico e Secundário da SPM (GEBS)

Publicado/editado: 14/07/2021