Prémio Abel 2020 atribuído a Hillel Furstenberg e Gregory Margulis

.

Embora nunca tenham trabalhado juntos, Hillel Furstenberg e Gregory Margulis influenciaram-se mutuamente ao longo do tempo. Por isso mesmo, a Academia das Ciências e Letras Norueguesa decidiu hoje, 18 de março, atribuir-lhes em conjunto o Prémio Abel 2020 “pelo uso de métodos pioneiros de probabilidade e dinâmica em teoria de grupos, teoria dos números e combinatória”.

Hillel Furstenberg, da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, e Gregory Margulis, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos da América (EUA), inventaram técnicas de passeio aleatório para investigar objetos matemáticos, como grupos e grafos, e, ao fazê-lo, introduziram métodos probabilísticos para resolver muitos problemas abertos na teoria de grupos, teoria dos números, combinatória e teoria dos grafos. Um passeio aleatório é um caminho que consiste numa sucessão de etapas aleatórias, e o estudo de passeios aleatórios é um ramo central da teoria das probabilidades.
 
De acordo com Hans Munthe-Kaas, presidente do Comité Abel, o trabalho desenvolvido por Furstenberg e Margulis  "derrubou o muro tradicional entre a matemática pura e a aplicada".

Hillel Furstenberg nasceu em Berlim em 1935, no seio de uma família judia. Em1939 deixaram a Alemanha nazi e partiram para os Estados Unidos da América. Quando publicou os primeiros trabalhos, surgiu o rumor de que não eram um trabalho individual mas de um grupo de matemáticos. Como o trabalho continha ideias de tantas áreas diferentes, julgaram impossível ser de uma única pessoa. Desenvolveu a sua carreira em diversas universidades na América, mas em 1965 foi para a Universidade Hebraica de Jerusalém onde ficou até à sua reforma em 2003. O matemático ganhou o Prémio Israel e o Prémio Wolf, tendo ainda ajudado Israel a tornar-se centro mundial de matemática.

Gregory Margulis nasceu em  Moscovo, em 1946, e desde cedo demonstrou um talento inato para a matemática. Conquistou a Medalha Fields em 1978, com apenas 32 anos, mas viu-se impedido de receber a distinção porque as autoridades soviéticas recusaram-lhe o visto para viajar para Helsínquia.

Margulis foi um dos jovens matemáticos de topo na União Soviética, mas a sua origem judaica fechou-lhe muitas portas e impossibilitou-o de conseguir trabalho na Universidade de Moscovo. Em 1979, quando a União Soviética deu maior liberdade aos académicos, Margulis foi para a Europa, mas acabou por fixar-se na Universidade de Yale, nos EUA, onde está até hoje. Margulis conquistou também o Prémio Lobachevsky e o Prémio Wolf.

Os dois laureados nunca trabalharam juntos devido à diferença de idade, 10 anos, e às restrições de viagem impostas pela União Sovética, contudo influenciaram muito o trabalho um do outro.

Este prémio, que é o maior galardão matemático, equivalente ao Prémio Nobel, é atribuído anualmente, desde 2003, e confere um prémio monetário de cerca de 640 mil euros. A cerimónia de entrega do prémio, agendada para 19 de maio, foi adiada para data a definir devido à pandemia de coronavírus.
 

Publicado/editado: 18/03/2020