Prémio Abel 2021 distingue László Lovász e Avi Wigderson

.

A Academia Norueguesa de Ciências e Letras  atribuiu hoje, 17 de março, o Prémio Abel 2021 a László Lovász da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, na Hungria, e a Avi Wigderson do Institute for Advance Study de Princeton, nos Estados Unidos da América.

A distinção deve-se às “suas contribuições fundamentais para a teoria da computação e a matemática discreta e ao seu papel de liderança em transformá-los em campos centrais da matemática moderna", refere Hans Munthe-Kaas, presidente do Comité Abel.

Os algoritmos de hoje e a segurança na internet são questões que atualmente fazem parte da vida de todos, e é claro para a Academia que o trabalho destes dois matemáticos foi “fundamental para a compreensão da aleatoriedade na computação e na exploração dos limites da computação eficiente”.

László Lovász nasceu em 1948, em Budapeste, e foi desde a juventude um matemático brilhante. Foi também escritor e palestrante, sempre reconhecido pela sua clareza e por ser uma pessoa acessível, e liderou a International Mathematical Union entre 2007 e 2010.


Um dos principais impactos do trabalho de Lovász foi o de estabelecer formas pelas quais a matemática discreta pode abordar questões teóricas fundamentais na ciência da computação.

Lovász também desenvolveu algoritmos poderosos, sendo o mais famoso o algoritmo LLL, desenvolvido em parceria com os irmãos Arjen e Hendrik Lenstra, que representou um avanço conceptual na compreensão de reticulados e que teve aplicações notáveis ​​em áreas como a teoria dos números, a criptografia e a computação móvel. Atualmente, os únicos sistemas de criptografia conhecidos que podem resistir a um ataque de um computador quântico são baseados no algoritmo LLL.

Lovász ganhou diversos prémios, entre eles o Prémio Wolf e o Prémio Knuth, ambos em 1999, o Prémio Gödel , em 2001, e o Prémio Quioto, em 2010.
Apesar disso, quando soube que tinha sido escolhido para o Prémio Abel 2021, László Lovász mostrou-se muito surpreendido.

Avi Wigderson nasceu em 1956, em Haifa, Israel, e é conhecido pela sua habilidade em estabelecer ligações entre áreas que aparentemente não têm relação. Aprofundou as ligações entre a matemática e a ciência da computação e contribuiu para ampliar e aprofundar o campo da teoria da complexidade – que se preocupa com a velocidade e a eficiência dos algoritmos – de uma forma indiscutivelmente maior do que qualquer outra pessoa.

Wigderson conduziu pesquisas sobre todos os principais problemas em aberto na teoria da complexidade, fazendo com que, de muitas maneiras, a área crescesse ao seu redor. A aplicação atual mais importante da teoria da complexidade é a criptografia da internet e, no início da sua carreira, Wigderson fez contribuições fundamentais nesta área, incluindo a prova de conhecimento zero, que hoje é usada na tecnologia de criptomoeda.

Em 1994, Wigderson conquistou o Prémio Rolf Nevanlinna para ciência da computação, em 2009 foi distinguido com o Prémio Gödel e, em 2019, com Prémio Knuth.

O Prémio Abel, o maior galardão matemático e equivalente ao Prémio Nobel, é atribuído anualmente, desde 2003, e confere um prémio monetário de cerca de 740 mil euros.

A escolha dos laureados é baseada na recomendação do Comité Abel, que é composto por cinco matemáticos reconhecidos internacionalmente.

Página oficial: www.abelprize.no

Publicado/editado: 17/03/2021